A historia do balão em SP | Gazeta do Balão

O balão faz parte do folclore brasileiro como todo mundo sabe, trazido pelos portugueses e nas festas juninas em comemoração aos três Santos comemorados em junho , dia 13 Santo Antonio, dia 24 São João e 29 São Pedro, se faziam fogueiras e comidas de época, e se lançavam balões aos céus , era muito comum nos bairros junto com as igrejas, reunirem famílias enfeitando com bandeirolas e fazendo brincadeiras, como Pau de sebo, casamento caipira, correio elegante, cadeia e a dança de quadrilha, tudo isso agregado ao balão de varias formas.

Isso vem de mais de cem anos, com o tempo isso foi passado de pai pra filho de avo para neto de tio pra sobrinhos, sempre tinha alguém que sabia fazer um tipo de balão, os mais comuns eram caixas, almofadas, barrica, careca de padre, cruz, Zeppelin , Santos Dumont , charuto e estrela de vários tamanhos e cores, os bairros mais antigos era mais comum velos no alto, como Vila Mariana, Aclimação, Cambuci, Tatuapé, Vila Olímpia e outros mais, nessa época dos anos 70 tinha uma molecada na Aclimação, que juntos brincavam de soltar pipa e outras brincadeiras, um deles chamado de Paulinho era fascinado por balão que com outros amigos Fabio e Custe dois irmãos e o primo do custe o Nene primo do Custe e o China gostavam de fazer balões nessa época , onde junto com parentes e vizinhos se juntavam pra fazer os balões , em 1978 fizeram uma grande Almofada de 528 folhas de seda que na época existia uma folha que era chamada de folha dupla, bom a almofada tinha na realidade mais de 1000 folhas, feita pelo Paulinho e Fabio, o custe mais dava palpite do que fazia rsrsrs, bom o Custe fez a boca, em vez de uma mesa era uma haste central de um ferro com arames amarrados nas laterais da boca, com uma bucha muito grande o Paulinho questionou o sistema, falando isso vai queimar, bom o balão subiu atravessou algumas ruas aquela coisa enorme no céu, de repente queimou, conclusão o calor do fogo e peso fez a haste dobrar, fazendo o balão queimar , e a bucha caiu ao lado da Igreja gerando um tumulto , nessa época o Nene de S Amaro primo do custe estava no Rio num motel , jovem apaixonado por Balões, viu na janela um balão incrível pra ele , que não teve duvida, largou a garota que estava com ele e saiu fora do quarto só de cueca pra ver aquela coisa linda um painel com o longo de uma marca, o cara surtou veio pra SP e espalhou pros amigos o que vira no Rio, logo que pode o Paulinho e amigos foram pro Rio e lá chegando viu uma armação de S. Jorge caindo ficou doido com o visual das lanternas, nesse resgate falou com o Dario e o Paulinho Vovô que informarão, onde encontrar o Zeca da Amizade que não saia do Foto do Titio Mello , onde fez amizade como mestre Zeca, que passou muita informação pra ele através do Bocão integrante da turma, onde Paulinho pediu ao China que fica-se ligado em tudo, bom voltando pra SP, resolveram formar um grupo pra fazer esses nonos balões ( os famosos corte reto), até então o grupo não tinha nome e ere conhecido como Turma do Paulinho que não se sentia bem com isso, resolveu adotar o nome Turma da Amizade de SP , informou ao Zeca que iria usar o nome aqui em SP, e o Zeca perguntou o porque? E ele falou que era porque o grupo reunia um monte de pessoas de vários bairros que fizeram amizade através do balão, e o Zeca apadrinhou a primeira turma de SP Turma da Amizade fundada em 27/07/1978 os cabeças da turma Paulinho Mosquela Nene de S Amaro kico Tapeceiro esses eram os cabeças do inicio da turma e fizeram vários balões 3×3 4×4 com os desenhos do Mikey e Pato Donald, depois o emblema do Santos, ai em 1979 tinha no grupo China , Leão, Chicolé, Baltazar, entre esses mais uns 30 incluindo mulheres , crianças e idosos, todos querendo participar das novidades dos balões, depois de várias vezes no Rio encomendou 20 camisas ao Zeca da T Amizade, sendo distribuídas aos integrantes de SP, que estrearam as camisas participando da Soltura do Pião de 32 mts da Turma do Caxambi , projetado pelo Ivo Patrocinio, onde o pessoal de São Paulo colaborou segurando a bandeira do pião com a nova camisa, de volta pra SP já com um 8×8 pronto como emblema da turma no balão e painel e camisa nova foram soltar o balão, e no campo dentro da cidade, naquela época qualquer campinho era local de soltura, chegou a reportagem da Globo querendo acompanhar perguntaram tudo que podiam chegaram a ir na bancada filmar outro balão pra ver como era essa novidade, na hora da soltura quem chega no local, a policia nada menos que 15 viaturas na época rota, e querendo impedir a soltura, mandando recolher tudo, o balão estava bojado com escadinhas e cheio de crianças segurando, a policia perguntava quem era o responsável , e ninguém se apresentava, até que o Paulinho interveio falando do risco do balão incendiar por tentar murchar ele com lanternas acesas, onde o Sargento junto com um tenente deram uma prancheta e pediu pro pessoal assinar se responsabilizando pela soltura, ai mais de 50 pessoas que faziam parte do grupo e moradores assinaram, e foi dado a autorização pra continuar a soltura do balão, e tudo sendo acompanhado pela Globo, o balão subiu com sucesso e foram pra resgatar e a Globo acompanhou no resgate também, o balão caiu na Bandeirantes na Vila Olímpia em cima de uns eucaliptos onde rasgou todo mas resgataram tudo que podia do balão, não deixando vestígio de nada, na época soltar balão era contravenção por isso o termo de responsabilidade foi aceito, pois se causa-se algum problema teriam 50 pessoas que assumiriam os riscos, tínhamos duas bancadas na Aclimação uma na Coronel Diogo grande e outra menor na Alvaro Neto pra balões menores, balão era toda semana tudo era motivo pra fazer balão estávamos na febre, faziam balões pros filhos dos integrantes ou porque fazia aniversário .

00
Tudo que o Paulinho aprendeu nessa nova categoria dos corte reto foi com o Zeca e o Bocão que na pratica fazia o Paulinho ajudar e ia ensinando tudo como se fazia , bom foi tanta informação que precisava passar pro irmão pros amigos pra não ter que fazer tudo só , como muitas vezes fez, um cuidava de maçaricar o balão isso ensinou ao irmão pois tinha um entrosamento muito bom com ele, outros cuidavam das escadinhas ou envelopes, outros do painel e assim foi dividido tarefas, Soninha esposa do Paulinho aprendeu a fechar os bicos e decora-los com a Dª Marlene esposa do Zeca, Paulinho levou muitos amigos para o Rio pra aprender a fazer tudo, tudo mesmo do básico até aprender a fazer lanternas.
Com tantas idas e vindas entre Rio e SP , o Paulinho já tinha espalhado para os amigos de SP. Que formaram suas turmas e ele fez o primeiro festival de SP em 1980, na Ricardo Jafet ( inicio da Imigrantes ) como apoio do Zeca que veio julgar os balões junto com Bocão e Osmar.
Participaram mais ou menos 10 turmas entre elas algumas que foi lembrada Turma 10 de Ouros, Turma da Lua, Turma da Madrugada, Turma do Remendo, Turma da Esquina , Turma do Pega e mais algumas que não me vem na memória , quem ganhou o primeiro festival de SP foi a 10 de Ouros com a armação da Carta do baralho que era o símbolo da turma, neste dia a Amizade de SP abriu o festival com um 6×6 com o painel do cavalo, sem concorrer lógico, e como era aniversário de 1 ano aproveitaram e soltaram um3x3 com letreiro com o nome do Leo filho do Paulinho, em 1981 deram uma parada pra descansar, e cuidar das coisas particulares pois tinha que trabalhar e cuidar de negócios, a pedido do seu pai foi viajar, e o Junior tinha fundado a 10 de ouros e o china foi na frente logo o Ivan foi atrás, pois estavam comum bom projeto, ai voltando do Rio fiquei uns dias parados quando fui procurado pela turma do Remendo do Ipiranga onde quiseram fundir as duas turmas em uma só, e continuou a T da Amizade agora também no Ipiranga, onde fizemos o 6×6 da Yemanja que por causa do tempo com brisa, cortamos o painel na metade, e a Yemanja praticamente ficou de mini saia , e na aclimação estávamos fazendo o balão do Palhacinho e no Ipiranga fazendo desta vez um 9×8 que iria levar outro painel da Yemanja, nessa época surgiu a exposição da casa das Retortas, com participação das turmas da Amizade Sp com um 5×5 geométrico, Turma da Lua com o Sputinik, o Nene de S Amaro com um Zepelim com a bandeira do Brasil e o Zequinha da Tom e Jeri do Rio com uma replica da T Ouro Preto e vários outros com o sucesso do evento fomos convidados a participar da campanha do agasalho feito pela prefeitura de SP na época gestão de Paulo Maluf soltamos três balões no evento, sendo um o primeiro carrapeta solto em SP de 8 mts que subiu com sucesso, molde do Titio Melo do Rio, ao final do evento recebemos um troféu de colaboração da campanha, entregue pela primeira Dama esposa de Paulo Maluf, em 1979 fizemos um carrapeta , e colocamos um cesto embaixo do balão forrado de papel laminado, com muitas fitas presas ao balão tudo laminado, na soltura o balão pegou uma brisa forte, e levou contra os fios e naqueles três de alta tensão, o cesto bateu nos cabos e provocou um curto, e o Paulinho recebeu uma descarga tão forte que não sabe como não morreu, com isso o balão pegou fogo, esse seria o primeiro carrapeta a subir, voltando com o evento da casa das Retortas e com a campanha , a turma ficou em evidencia sendo procurada por políticos e autoridades, TV como a Globo e TV Cultura, saindo até reportagem no Fantástico sobre o assunto, com isso foram parar na escola de Samba Rosas de Ouro soltando um balão pra escola, onde um jornalista colocou em contato com a organização da festa de 7 de setembro onde o Paulinho foi convidado a fazer parte da comissão de festejos de 7 de setembro , onde elaboraram o balão do D Pedro I ,do Grito da Independência , onde o painel foi riscado no pátio do Museu do Ipiranga, a convite da Prefeitura e a Regional do Ipiranga, que na data subiu com êxito na presença de mais ou menos 15.000 pessoas, com segurança da policia militar fazendo um cordão de isolamento pra segurar o publico, que queria se aproximar pra ver de perto o painel com as lanternas , também depois desse evento fiz um letreiro para o Reinaldo de Barros que resgatamos e soltamos de novo completo com o nome dele de novo.
Em 1982 subiu o 6×6 do Toureiro em comemoração a copa do mundo realizada na Espanha. Solto na vergueiro na Vila Mariana em frente ao supermercado na época Bom Preço quase esquina com a Imigrantes, uma observação EU ESTAVA LÁ FOI UM SHOW ( Toninho Alvarenga )e logo depois soltamos um carrapeta com buchas de estágio o primeiro a subir com esse sistema em SP, ai o Jonas que já tinha sua turma do Pega e tinha saído da T da Amizade , já cortava balões e tingiu uma bobina de preto e não gostou do papel ficou cismado, onde deu o balão 9×9 cortado pro Paulinho e disse o porque, onde o Paulinho pegou o balão e resolveu fazer e por medida de segurança e aliviar a pressão do balão fez vários respiros no bico, que subiu com um painel da Bússola , que foi um balão completo balão com bojo, painel da Bússola e nome escrito com lanternas e duas gaiolas de fogos uma com 12×1 e uma de vara feita pelo saudoso Evaristo.
Como nascimento de sua filha, foi parando com os balões grandes, e ficando com os mais simples , e soltando em festas juninas com amigos, e fazendo queima de fogos na praia onde reside mas sempre mantendo o nome Turma da Amizade.

00

Algumas perguntas :
Você sabia ou tinha noção da sua importância no mundo do balão ?
Paulinho: Não, mas através do Facebook e a festa dos “Mofos” rsrsrs ( Churrasco da Padaria )voltou a reencontrar velhos amigos como o Tião da Bruxa , Pedrinho e Serginho da Emenda, Luizinho Zepelim , Adib , Barão, Romeu, Tico, e muita gente que nem lembro o nome, e fiz novos amigos no Facebook e você que fiz o contato pelo Face onde você contou um pouco da minha história.

O que o Paulinho vê os balões de hoje?
Paulinho: Acho que grande parte do que está ai se deve a Turma da Emenda por ela ter inovado e influenciado tanta gente, como o Jonas foi responsável por tingir bobinas de papeis e teve sua influência também , hoje com muito mais facilidade e tecnologia , temos balões riscados mas na minha época também tinha mas o computador mudou muita coisa, e as bocas muito artísticas com nomes e desenhos.

Tem saudades?
Paulinho: Muitas rsrsrs muitas vontades passando em minha cabeça rsrsr, querendo retornar a colar papel , fico arrepiado de pensar, quando vejo suas postagens na sua bancada falo pra esposa poxa podia estar la com eles kkkk mas a distancia as vezes atrapalha …….

Um comentário?
Desculpe por esquecer de alguns fatos como nomes de amigos ou nome de Turmas Mas é uma parte bem resumida da primeira turma de SP “TURMA da AMIZADE”
Reportagem: Toninho Alvarenga

Comentários:

  1. Ricardo disse:

    eu morava no Rio próximo ao Cachambi, berço dos balões na cidade. metade da minha família morava em São Paulo. vira e mexe eu ia a SP ver meus primos, ou eles iam ao Rio. Certa vez na decada de 70, quando da visita deles em minha casa no Engenho Novo, comentei que subiam balões com painéis espetaculares. Foi uma gozação só. quase apanhei. a sorte é que a noite, subiu próximo do Caxambi, um lindo balão com um cavalo de xadrez na armação. eles ficaram de boca aberta. nesta época, soube, através da turma da Amizade, que este inter câmbio havia sido criado. hoje, não existe mais diferença. tanto em SP qqquanto no Rio, os balões fazem a nossa alegria e cada vez de forma mais espetacular. parabéns a todos os baloeiros.

  2. Dezv de Ouros Junior disse:

    Grande Paulinho

    Que bom ler esta historia, nan verdade chegamos logo depois e fomos integrantes da Turma da Amizade
    Logo depois fundamos o Dez de Ouros, eu Junior e o Enio Bove que fizemos o 4×4 vencedor do festival e dai para frente baloes para Cima
    Infelizmente no ano passado perdemso o Ivan meu irmão que era um aficcionado por baloes
    estamso por ai forte abraco a todos

  3. PAULINHO GNB-PAIXAO disse:

    caraca, me emociona demais, comecei no mundo dos baloes de turma exatamente neste balao do DOM PEDRO, meu irmao estava no exercito e ia desfilar, quando vi os caras com a camiseta montando o painel, em cima do batalhao da policia em frente ao museu, esqueci do meu irmão e fiquei o tempo todo ali, não pude ficar a noite, mas descobri a bancada da amizade na ricardo jafet e não saia de lá, com o BIRA, lembro muito até o dia da soltura do 6×6 do olé brasil, o balão que marca minha vida!!
    PAULINHO vc é um dos maiores baloeiros do brasil, ajudou a criar estes monstros que aqui estão.

    meu sonho, fazer a réplica daquele 6×6 e vc soltando ele com a gente!!!

    valeu, abraços
    PAULINHO! SEU FÃ

Copyright © 2006 / 2017 - Gazeta do Balão | Todos os Direitos Reservados - Permitida a reprodução com citação da fonte