As primeiras armações | Gazeta do Balão

Olá amigos! Como muitos baloeiros “da antiga” consideram, o principal fator para a transição do tradicional balão de festa junina, também conhecido como Maria Preta para os balões modernos foram a invenção do balão Mixirica ou Tangerina como é chamado no Rio com armação ou painel de lanternas.

26

Essa técnica nascida nos anos 60 de colocar “copinhos” de papel de seda com velas dentro virou uma febre em todo o Rio de Janeiro e despertou o interesse de muitos baloeiros, fato que até hoje, existem turmas apaixonadas por este estilo de balão.

Antes de toda essa tecnologia que utilizamos nos dias de hoje para soltar os balões com armação, os primeiros baloeiros cariocas montavam seus painéis em andaimes, paredes e muros.
003
Com o desenvolvimento do balão, a técnica de montar a armação no chão e suspendê-la por cavaletes de ferro, madeira ou bambú facilitou muito e salvou a coluna de muita gente, afinal, quantos de nós não montamos nossas armações e letreiros no chão quando éramos moleques.

Após a fase de montagem de armações na vertical em andaimes, muros e paredes, nos anos 70 as armações começaram a se desenvolver. A cada balão, um desenho novo, uma técnica era desenvolvida e os balões e turmas ficavam cada vez mais conhecidas e admiradas, lotando os campos de soltura cariocas para acompanhar as solturas.

paineis

Com a chegada dos anos 80, a soltura de balões de armação no Rio de Janeiro era um evento super esperado e sempre acontecia nos meses de junho e julho. Era raro ver balões fora desta época. Como ser baloeiro naquele tempo era status, as turmas começaram a criar convites que eram distribuídos nos pontos de encontro de baloeiros, lojas de materiais e até mesmo nas solturas. Nasceram ali, os famosos prospectos, ou convites:

paineis1

Nessa época, as armações eram montadas no chão, sua malha era montada com rami e barbante em grandes quadrados e o caminho das lanternas marcados por varetas de bambu. Como não havia computador, as armações eram feitas a mão num papel quadriculado e aquela técnica que aprendemos na escola era aplicada nestas ampliações:

paineis2

No fim dos anos 80, a busca pela perfeição fez com que as turmas especializadas em armações, que até então eram feitas com desenhos simples, começaram a buscar mais definição em seus desenhos.  Nasceu ai a armação em ponto cruz, utilizada até hoje que foi inspirada nos livros de Ponto cruz, a mesma técnica onde nasceu os balões taqueados.

Quem desenvolveu essa técnica, foi o Jorge Turco do Méier, berço dos balões taqueados no Rio de Janeiro Fato que junto com os balões em taquinhos, a armação em ponto cruz se tornou uma febre nos anos 80. No Rio um dos primeiros balões a utilizar essa técnica foi a Ouro Preto em 1978 com uma armação que retratava uma Japonesa:

paineis7

Nos anos seguintes, as principais turmas Cariocas “pegaram gosto” pelos balões taqueados e as armações em ponto cruz ou “cheias” como chamam, começaram a aparecer. Além de Jorge Turco e sua turma do Méier, a turma do Cristo de Bangú se destacou com diversos balões soltos nesse estilo. Outro exemplo é o 9×8 da Arte Real em 1987:

paineis5

Aqui em São Paulo, a primeira turma que utilizou essa técnica foi a extinta Xumbo Grosso (ZN), que foi até o Rio para aprender essa técnica que a utilizou em 1987 num 4×4:

paineis4

 

No ano seguinte, soltaram mais um balão com uma armação feita em ponto cruz retratando um anjo:

paineis3

Com o passar dos anos e a utilização de computadores para a criação de projetos de armações, a qualidade e perfeição dos trabalhos é imensa. Mas isso já é outro assunto.

Abraços a todos.

Dinho GB

Comentários:

  1. Adauto - AGUIA REAL Z/Sul disse:

    Ae Dinho voltou com tudo!

    Parabéns pela matéria e pela volta do site.

    Abraço

  2. Alexandre Sudario -Turma Urucânia RJ disse:

    Olá companheiro!desde já agradeço pela oportunidade,e mesmo com meus 36 anos de vida tive a oportunidade e o privilégio de presenciar e até mesmo confeccionar alguns humildes letreiros e ao ler essa matéria que me remeteu lembranças maravilhosas fiquei extremamente emocionado. Obrigado companheiro por proporcinar a mim e a outros, acredito eu esse sentimento tão especial resumido em memórias !!!

    Um Forte Abraço.

    Att: Alexandre Sudario

  3. Primeiro Plano disse:

    Muito show gosto muito desse site

  4. não tenho disse:

    meu Deus que saudade dessa época. na maioria das sextas e sábados, tínhamos que escolher qual balão ver de tantas opções. em um domingo, face ao tempo ruim de sexta e sábado, vimos três balões subir, sendo dois em Campo Grande e um na Sulacap. num outro sábado resolvemos ficar em Piedade para ver o Cisne Real. neste dia com certeza, foi o dia que mais vi balões no céu, principalmente de armação (painel). enfim, era uma época que você podia percorrer o Rio de ponta a ponta sem preocupação e apreciar nossa arte com orgulho. saudade que me mata.

  5. turma do boquinha disse:

    Olá pessoal, no meu tempo faziamos uma rede o grosso modo e colocavamos varetas com fita crepe,fazendo o formato das letras.
    era muito trabalhoso mais era muito bonito os baloes letreiros e bojo. valeu dinho pela materia.

  6. tico nasa rio disse:

    show de materia ! com 48 anos de idade , posso dizer que vivi boa parte dessa historia…
    parabens pela materia !

    desculpe a falta de acentos pos meu teclado esta desconfigurado..

  7. rogerio T. Muro (extinta em 1991) disse:

    Materias muita bacanas, tempos que nossa arte era livre e nossas familhias participavam conosco das soltaras resgates e confecsoes dos juninos… era muito bom ganhavamos grandes amigos em todos os lugares que visitavamos
    gostaria de saber sera que auguem teria o video ou fotos do balao do jonas 7 x 7 Painel e balao com o brazao do estado de SP solto no ipiranga e que caio na regiao do paraiso

  8. Vai rasgando disse:

    É muito saudosismo ver esses baloes, moro no Espirito Santo atualmente e aqui não se solta balão,acho que nunca soltaram, as vezes faço um balãozinho e as pessoas ficam impressionadas, fico imaginado os capixabas vendo essas grandes obras de artes, ficariam doidos ou ligariam logo pra policia.O que me resta é a saudade da época de infância que acordava cedo para correr atras de balão. Parabéns pelo retorno!!!!

  9. Biel turma do bojo disse:

    Queria ter vivido essa época mas infelizmente não vivi…

  10. turma do ed ! disse:

    agora basta ter dinheiro, o resto o computador faz uma pena !

  11. Fbalões disse:

    No final dos anos 70 via as armações subindo de frente da minha casa, campo de beira de rua sem muros,de vez em quando dava merda, armação presa nos fios, balão pegava fogo na guia devido ao vento, coisas assim, as turmas faziam as armações durante o dia e nada acontecia, a polícia não estava nem aí, agora tudo é escondido, parecemos marginais, final de semana acordo cedo e raramente se vê um balão bonito no alto, o que nos resta é lembrar desses tempos bons. Obrigado GB pela matéria.

Copyright © 2006 / 2017 - Gazeta do Balão | Todos os Direitos Reservados - Permitida a reprodução com citação da fonte