Itapevi, o campo dos Gigantes | Gazeta do Balão

Pra quem viveu os anos 90 como eu se lembra bem de como era diferente em relação aos dias de hoje. Se hoje praticamente nos escondemos e viajamos quimômetros para ver um balão, naquela época os principais campos ou locais de soltura de balões sempre tinha algo bom pra ver a cada domingo. Se no começo da década de 80 quem queria ver um balão ia até o Morro do Klabim ou na Ricardo Jafet, ambos no Ipiranga na zona sul, no campo da Voith em Pirituba, no Rádio na Zona Leste e por ai vai, com o passar dos anos, o número de turmas e baloeiros em São Paulo cresceu e os balões também. Com isso, muita gente começou a sair da cidade e buscar campos na Grande São Paulo. Foi assim em Jordanésia, região de Cajamar, principal campo de soltura no fim dos anos 80 e Santa Inês, o famoso campo da Igrejinha em Mairiporã.

Com a chegada da lei em 1998, muitos baloeiros passaram a soltar seus balões em campos privados, sitios e fazendas mais afastados como o campo do Marmelo em Guarulhos e o sítio do Claudinho Alvarenga em Itapevi. Mas a história deste palco dos grandes balões entre 1994 e 2003 nasceu anos antes, em 1988. Na época, a Turma Alvarenga (Ipiranga) sempre soltava seus balões grandes no sítio do Toninho do Leite, nosso querido Toninho Alvarenga nos dias de hoje. Ele ficava em Engenheiro Marsilac, extremo sul de São Paulo. Uma das maiores façanhas da turma Alvarenga foi soltar 3 gigantes num fim de semana. No sábado a noite, soltaram um 9×9 Armação, um 9×9 com Bojo e Fogueteira e no Domingo de Manha um Pião de 20m com fogos e bandeira. Tinha também um Pião de 14m, o listrado na foto que perdeu a bandeira e teve sua soltura abortada, subindo meses depois num campo na Fernão Dias.

00

Depois dessa tensa manhã, decidiram fazer um balão maior, um Pião de 35 metros. Porém a soltura de um balão desse porte, seria impossível no sitio do Toninho. Foi ai que nasceu a ideia doi Claudinho em usar o sítio do seu sogro, Sr. José em Itapevi, cidade há 40km de São Paulo. Como na época as condições financeiras do Claudio eram boas, fez uma acordo com a família e comprou o sítio. Imediatamente, fez a terraplanagem do barranco que existia e abriu um imenso campo para a soltura do balão. Em maio de 1990 o inesquecível Pião de 35 metros subiu de lá.

01

Com o sucesso da soltura, partiram para a confecção de um sonho: O pião de 45 metros, solto em novembro de 1993:

00

No ano seguinte, a Balão Mágico soltou seu gigantesco Truffi de 40m, o famoso balão do Lelé do sítio, sendo o primeiro fogueteiro a subir de lá:

00

Como uma das maiores deficiências do campo de Santa Inês em Mairiporã que era impossível guardar as coisas, muitas turmas procuraram o Claudinho para soltar seus balões no sítio pois, em caso de tempo ruim, tudo podia ficar guardado lá. Mesmo com tanto assédio, apenas turmas mais amigas conseguiam espaço para soltar seus balões no famoso barranco de terra vermelha. Turmas como Balão Mágico, Emenda e Os Naypes soltaram seus principais gigantes no sítio:

00

Com o passar dos anos, todos os balões “das turmas amigas” ou acima de 30 metros foram soltos de lá. Além da praticidade em guardar as coisas, o clima na região era muito bom, o sítio ficava próximo de São Paulo e o campo suportava a soltura de balões gigantes:

00

E durante todo o fim da década de 90 e começo dos anos 2000, o sítio do Claudinho se tornou o principal campo de soltura de balões de São Paulo:

00

O maior balão a ser solto de lá foi a gigantesca Bagdá de 54m da Turma da Zona Norte, a TZN em 1997:

00

Um dos balões mais inesquecíveis da história devido a multidão que chegou em sua caída no bairro de Taboão (SBC), o Modelado de 32m da Sandú Mosaico também  foi um dos últimos balões a subir do sítio de Itapevi:

00

Com a morte de Claudinho em 2002, uma das turmas mais amigas dele, Os Naypes do nosso querido Bortoloto, homenageou Claudinho com um Modelado de 18m. Este foi o último balão a subir do sitio em 26 de abril de 2003:

00

Logo após a morte do Claudinho, o sítio foi vendido e o mundo do balão ficou órfão de um dos principais campos de soltura da história. Palco de balões memoráveis e inesquecíveis.

Você se lembra?

Então conte suas histórias!

Abraços a todos

Dinho

Comentários:

  1. Turma Ratueras: Toninho Alvarenga disse:

    Bom eu vivi 10 anos na turma o Claudio era um apaixonado por balões, quando não tínhamos recurso de fotografia ele fez contato com o Tati e virou amigo dele, onde pelo menos tínhamos fotos com qualidade, mas isso não bastava, numa viagem que fez a Disney comprou equipamento de filmagem profissional, onde revolucionou com suas filmagens editadas com musica, não tenho certeza mas acho que foram três ou quatro maquinas e uma mesa de edição, equipamento top que começou a gravar nossos trabalhos, e começou a fazer para outras turmas também isso em 1988,logo após a soltura dos balões do meu sitio, que ai faltou o 10×10 que foi o primeiro a subir em Marcilak, ele resolveu usar o sitio do sogro onde acabou comprando, e fez nesse local um campo pro nosso 35, no meu não daria porque o terreno é cortado por uma erosão que é um brejo, e preferiu fazer a terraplanagem no sitio da família, era um perfeccionista um grande baloeiro comum genio dificil mas assim era ele se por um lado era um critico chato, por outro fazia qualquer coisa pela arte e contribuiu muito com seu sitio abrindo as grandes turmas ele merece essa homenagem Parabéns Dinho

  2. turma da torre osasco desde 1982 disse:

    velhos tepos os nossos em balao tinha mais segurança isso sim era epoca boa tinhanmos varios festivais e td de boa ate policia parava no campo pra ver nossa arte agora quequer incedio q tem por ai o cupados sempre somos nos mas e isso ai vamos continuar com nosso brinquedinho que nos faz feliz em tds fds deixo ai um abraço a tds baloeiros ;;;;Att; borreia da torre.

  3. soluar pirituba disse:

    Epoca maravilhosa quando nao podia ir ao campo ficava da quebrada aguardando os baloes passarem foi assim com o 32 dos naypes q parecia q ia cair na vila como o piao de 35 da alvarenga show de lembrancas
    OOOOOOEPOCABOAAAAAAA

  4. turma da torre osascol disse:

    ai borreia to sumido nao vai colar aqui em osasco estamos com um modelado de 16 mts bandeira vai logo para o ceu la de itap e a gente pegou moitas solturas deste campo tempo bom em que nao volta mais era da hora o claudinho com a quela botas ate o joelho filmando foi um tempo magico dos balaos na zona oeste uma abraço a parese ai na quebrada uma abraço

Copyright © 2006 / 2017 - Gazeta do Balão | Todos os Direitos Reservados - Permitida a reprodução com citação da fonte