Os primeiros uniformes das turmas de baloeiros | Gazeta do Balão

Como todos os grupos organizados que se reúnem para alguma prática, em meados dos anos 70 os baloeiros até então conhecidos pelas solturas de balões em festas juninas cariocas começaram a se organizar conforme a prática ganhava adeptos por todo o subúrbio. As primeiras turmas eram conhecidas e batizadas pelo nome de seus bairros, algumas pelas ruas onde os balões eram soltos, assim, quem gostava de balões sabia que, nos meses de festas juninas, lá teria balões. Turmas como Hermínia, Méier, Cachambi, Del Castilho, Água Santa, Cascadura, Jacarepaguá, Bonsucesso, alguns bairros da cidade e ruas como Ouro Preto, Rua Sobral, Rua São Bráz, Rua José Bonifácio, sempre reuniam milhares de pessoas durante as solturas de seus balões.

No fim dos anos 70, inspirado nos times de futebol, o grande Zeca da Amizade teve a brilhante ideia de fazer um uniforme para sua turma para que todos os integrantes fossem identificados em seus festivais. A primeira camisa de turma da baloeiros era branca de mangas longas com as escritas TURMA DA AMIZADE em vermelho.

Em poucos anos, as principais turmas cariocas começaram a se uniformizar e, a cada festival ou soltura, seus integrantes se destacavam no meio das milhares de pessoas. Abaixo vemos uma relíquia, A querida Dna. Neuza com a camisa da turma do Cachambi na soltura do Pião de 42m em 1982:

foto27

Aqui em São Paulo, a primeira turma a utilizar um uniforme foi a Praça do Aeroporto. No começo dos anos 80, a famosa e extinta pracinha da Avenida dos Bandeirantes na zona sul, se tornou o principal point de baloeiros da capital. Como muitas pessoas iam atrás dos balões, era inevitável acontecer brigas entre os próprios integrantes, assim, decidiram fazer uma camisa para que todos se identificassem:

1075822_544601538933413_1512572865_n

Depois da Praça, com a realização do Primeiro Festival de Balões no Ipiranga em 1980, as primeiras turmas de São Paulo começaram a aparecer com seus uniformes. Tinha turmas que eram 100% uniformizadas com camisetas, jaquetas, agasalhos e calças.

As camisas comemorativas

No fim dos anos 80, uma nova febre se tornava regra para muitas turmas: Camisetas comemorativas para cada balão que fosse soltar. A primeira camisa feita para um balão foi feita pela turma Arte Real para seu balão que retratava Marilyn Monroe e o cinema em 1986:

ar

Hoje é imprescindível o uniforme para cada turma de baloeiros. Assim como é um orgulho ver o seu balão subir, mostrar a todos seu agasalho ou camiseta alimenta o ego afinal, muita gente não reconhece os baloeiros num campo de soltura mas identifica facilmente a turma pela sua escuderia e também é muito comum as turmas desenvolver camisetas comemorativas de seus balões para distribuir aos amigos e vender para recolher fundos para seus projetos.

Como em tudo na vida, existem os colecionadores. Temos dezenas de pessoas que possuem centenas de camisetas. Muitos compram, outros ganham e sempre que há uma festa ou encontro é comum vermos rifas e trocas de camisetas entre baloeiros.

Se você possui sua coleção, compartilhe conosco! Criamos um Grupo no Facebook para que todos possam postar fotos de suas camisas.

Confira nosso grupo clicando aqui. 

Abraços a todos!

Comentários:

  1. wt baloes disse:

    hoje em dia se sairmos com camisetas de turma com balao é formação de quadrilha, mas com a criatividade que e peculiar dos baloeiros, são feitas como se fosse mensagens subliminares nas musicas o desenho da bandeira ou do balao pra so quem e do meio reconhecer…

  2. ALÊ LOCO disse:

    Tenho várias na coleção !!! e esse painel da merlyn tenho a reportagem e a revista VEja kkk meu baú é variado , bela matéria !!!

  3. Edu - Praça Aeroporto disse:

    Bem legal a matéria e se a galera tiver fotos e histórias pra enriquecer fica melhor ainda.
    Apenas uma correção, a Praça confeccionou essa camiseta amarela com o nome de cada integrante no peito em 1978 pelo Tinão e Totó que morava em frente a Praça.
    A Pracinha dos Bandeirantes ou Pracinha do Pão Italiano realmente foi palco de muitos encontros, festas, solturas que paravam a avenida, grandes amizades preservadas até hoje e ali passaram duas gerações.
    Muitas turmas que passavam ou voltavam dos resgates com balões paravam por lá para dobrá-los…rs. O pessoal da 10 de Ouro e Balonautas eram uma dessas turmas. De 1970 a 1993 os encontros eram de segunda a segunda, de 93 a 96 de quinta a domingo e a partir dai com a chegada da lei em 98, a construção do Bahamas American Bar e o crescimento da economia as coisas ficaram dificeis e os encontros cada vez mais raros aos domingos cedo. Nos dias de hoje os únicos que aparecem por lá nas manhãs firmes é o Silvão e o Marquinhos… talvez porque não consigam disvincular daqueles momentos…rs
    Infelizmente as coisas não voltaram a ser como antes, mas tudo isso eu tento passar para os meus filhos através dos amigos, confraternizações, festas juninas e por ai em diante… porque esse mundinho de merda que essa geração esta vivendo é triste.

  4. sinho tas rio jpa disse:

    A camisa e a nossa identidade social,e muito bom colecionar e presentear colegas e amigos….

  5. PAULO CRIAÇAO OSASCO disse:

    Mais uma vez show, essa ideia das camisas com certeza é muito legal, principalmente para as turmas novas que estão surgindo, isso mostra a eles qual era a essência das turmas naquela ápoca, a união das turmas em prol do balão, sendo que naquela época uniforme, ou camisas era um luxo para equipes pequenas, e indispensável para as turmas mais experientes, parabéns pela iniciativa dinho

  6. Augusto (Ex-baloeiro) disse:

    Excelente matéria, Dinho! Tal como as camisetas de clubes de futebol, as camisetas dos baloeiros era motivo de orgulho, que o baloeiro vestia e exibia com gosto! Tenho certeza que muitos ex-baloeiros ainda possuem guardadas suas camisetas, seus moletons e suas jaquetas com as escuderias de suas turmas e equipes, e com certeza irão postar para matarmos a saudade! Mais uma vez, parabéns pela matéria!

  7. TURMA DA ALEGRIA disse:

    A TURMA DA ALEGRIA E TAMBEM UMAS DAS MAIS ANTIGAS DE SÃO PAULO,FOI FUNDADA EM 1984,E CONTINUA NA ATIVA ATE HOJE.

  8. alexandre - turma arte carioca disse:

    eu conversando uma vez sobre turmas antigas do RIO DE JANEIRO com um baloeira das antigas amigo meu, ele me falou que pros lados da piedade existia um baloeiro chamado GASTÃO que soltava seus bolões no campo da conceissão, na década de 1950 que a turma dele os integrantes já vestiam camisetas da turma dele já naquela época, fica ai o registro.

  9. Bruno ( Emenda ) disse:

    EU me lembro em 1992 soltando um modelado de 12 mts em frente da minha casa uma Ipanema da Militar parou e eu pensei já era perdi tudo .. os policia desceram do carro e ficaram olhando o balão e disseram vai demorar muito ? nem pensamos 2 x já colocamos a buxa e soltamos o balão kkk com uma bandeira dos dias das mães …

  10. Marcelo ( extinta Equipe Arte & Manha/sp ) disse:

    Essa matéria é show,valeu Dinho pelas ótimas recordações q nos traz a mente,tempos de glórias pois podia-mos soltar nossas obras de arte e usar-mos o nosso uniforme sem sermos perseguidos como delinquentes. sinto saudades desse tempo.

    Um forte abraço a vc e a tds q ainda mantem nossa ‘arte’ viva.

  11. Júnior da FAMILIA DA GOTA MUTONDO SG disse:

    TEM MUITO BALÃO PARA SUBIR

    ABRAÇOS DA TURMA DA GOTA MUTONDO SG.

  12. bruno emenda disse:

    manda um abraço fabiano conheço ele muito tempo mas não o vejo tb faz tempo fala que é o bruno da mata redonda abs

  13. san marino disse:

    deixa os x9 tem muita belesa para liberar

  14. ALEX ARTE SEGREDO E REMENDO GUARATIBA disse:

    nao podemos esquecer da turma campo grande uma das primeiras no rio de janeiro sao mais de 35 anos de balao valeu tcg.

  15. jeova . da turma ar quente vila kennedy disse:

    eu sou da turma ate hoje com orgulho mas tenho saudade do nosso tempo de festivais na tcg pedreira de inhauma e 9 folha de realengo muito bom hoje moro em guaratiba e sou reliquia

Copyright © 2006 / 2017 - Gazeta do Balão | Todos os Direitos Reservados - Permitida a reprodução com citação da fonte