Porquê a morte é só o começo? | Gazeta do Balão
Porquê a morte é só o começo?
Publicado em 03/09/2009 | 427370 Visualizações

Na bela manhã de 02 de setembro de 2009 o mundo do balão parou e assistiu a tentativa de soltura do pião carrapeta mais lindo de toda a história do mundo do balão e após a explosão do balão, todo mundo, indignado se encheu de dúvidas para saber o que aconteceu após o balão começar a puxar a bandeira.
Mas antes de divulgarmos a versão oficial da turma sobre o que acreditam ser a causa da explosão, nosso artigo de hoje deixa um pergunta: porquê os balões mais lindos da história geralmente não conseguiram ter êxito em suas solturas?
Remexendo nas minhas memórias, lembro me de vários que deram certo ou não. Sorte, competência e azar com inveja, uma mistura básica que muitos baloeiros sofrem nas solturas de suas obras primas. Pode até ser que no caso de alguns que deram certo e de outros que não tiveram o fim desejado.
Quem não se lembra do 1º Pião de 70 metros do Paulinho Carrapato? Não era um balão maravilhoso, mas só pela ousadia no seu tamanho, o fez entrar para a galeria dos “balões inesquecíveis”. Infelizmente, uma forte brisa fez com que cortassem a boca e liberassem o balão antes mesmo de encher completamente. Chegaram a fazer outro 3 anos depois e segundos após subir, explodiu. Outras maravilhas merecem ser lembradas não só pelos seus desenhos e sim pelo que representaram nas suas épocas e até hoje se tornam referências em cada estilo de molde ou até mesmo de decoração.
Antes de falar de piões, quem não se lembra das Armações das Turmas Zeppelin (Tatuapé), Listagem (Guarulhos) e Estrellar (Vl. Maria) em SP. No Rio, Realengo, Amizade e Cometa que duelavam balão a balão, ano a ano pela busca das Bocas de Ouro de Armação? Aqui em SP, uma das, senão a primeira das armações em ponto cruz que ditaram uma moda que, na época, não era muito utilizada, porém hoje em dia 99% dos balões utilizam foi o 8×8 da Turma Chumbo Grosso em 88. O balão era simples mas marcou pelo seu estilo de armação. Outras armações inesquecíveis, que entraram para a galeria dos “balões imortais” foram o 11×11 da Turma Estrellar (Chico Mendes), 9×8 Severa Albatroz (Japonesa), 10×9 Listagem (Moinho) e o 10×9 da Cometa (Michelangelo), para mim algumas das armações mais lindas da história.
Saindo das armações, vamos para os Modelados com Bandeira. desenhos bonitos sempre houveram, desenhistas de balões também mas o mundo do balão mudou totalmente após a soltura do Modelado de 21m das Turmas Arte Proibida e Os Naypes em 2001. Projeto do Coquinho, este estilo de balão tatuado virou uma referência e até hoje é repetido por muitos desenhistas e até mesmo por ele. . Antes deste balão, os balões riscados eram diferentes. Com certeza este balão ditou uma moda. Assim como o estilo criado por ele e pelas turmas em questão, não se pode esquecer dos maravilhosos modelados da TEC / Lobinho e TIB que serão lembrados por muitos, mas muitos anos pela qualidade de seus desenhos, sendo que o da TIB, também será referência no estilo de leques tatuados com mesclas de desenhos fotográficos de rostos e desenhos caricaturados.
O Truffi é uma balão dos mais clássicos que veio inspirado dos balões de Balonismo Esportivo. Mas todos se lembram do capacete do Senna solto pela Emenda. Um ícone em moldes e do mundo do balão. Assim como o Truffi da Emenda, falar de Bagdá hoje em dia e não falar da Colorir é uma injustiça, não é? Pois seus dois balões, as Bagdás de 24 e a de 30 entraram para a história como as mais lindas de todas as categorias e sempre serão lembradas e copiadas.
Já os Golfiers, na minha opinião, não se pode deixar de falar dos belos e imortais balões da Polegar, Voo Noturno de SP e da Serpente no Rio. Estes balões ditaram modas, lançaram moldes até hoje utilizados e entraram também para a história e milhares de álbuns de figurinhas e fotos por ai.
Fogueteiro Noturno é até hoje considerado um balão “pra macho” não só pelo alto custo e risco mas sim por que soltar um fogueteiroexige da turma estudos de peso, carga, pavios e poucos conseguiram na história gerar queimas fenomenais para se tornarem imortais. Muitos subiram, deram show mas falar de fogueteiros e não falar de Equipe Penha, Emenda, Cortiço, Doidos é impossível. Pioneira e especializada em fogueteiros, a Equipe Penha, liderada pelo Adib, foi e é referência até hoje em fogueteiros. Muitas turmas fizeram escola lá, exemplo a Emenda que por muitos anos será lembrada e estará no topo da lista com seu 16×16 solto em 1991, um dos melhores da história. Uma história que poucos sabem mas um dos primeiros balões a levar bombas mundiais de caída foi um 13×13 da turma Figueira Grande. Lembro-me que na época (1993) começou a soltar seus fogueteiros com as bombas retiradas dos tubos de lançamento. Até então, fogueteiro noturno eram apenas cometas, cortadinhos, varas, para quedas, quedas e chuvas de prata. Depois do lançamento de varas coloridas na década de 90 muitos balões podem ter sido soltos mas o primeiro que me lembro foi o modelado de 34 da Cortiço. Ali começava uma nova era onde os famosos cometinhas seriam deixados para segundo plano. Hoje são utilizados porém não são o artista principal nas gaiolas da vida.
Agora mesclar cometinhas, varas mundiais, bailarinas com mundiais de queda só uma turma de loucos pra fazer não é? Acho quepor isso a turma Doidos (Campinas) tem esse nome. Seu modelado de 36 solto no ano passado fez escola pela utilização paviosespeciais que queimam 10 metros em menos de um segundo e de varas de lançamento enchertadas com super propulsores, bailarinas e verdadeiras bombas mundiais que iluminaram o céu. Hoje, muitas turmas seguem o que os Doidos de Campinas fizeram em 2008.
Voltando aos piões, o modelo preferido de muita gente, muitos balões devem ser lembrados pela qualidade de seus desenhos, pelo que representaram em suas épocas e desde o pião de 32m do Ivo em 1979, varios se tornaram inesquecíveis como o pião de 30 da Emenda em 89, o pião de 24 da Alfa de SP em 91, todo taqueado, o pião da mesma Alfa solto em 99 (Tiazinha), o da Tropicália em 92, o pião da Fantástico campeão da Boca de Ouro de SP em 2008 e o pião de 24m da Joia Rara, outra obra prima em 2003. Temos o 45 dos Naypes em 2002, 32 da da Amor a Arte em 2008 e o da Estágio (2009).
Todos eles entraram para a história mas nenhum teve tanta qualidade em seus desenhos como o da Progresso. Foram 3 anos desde o começo do projeto a data da soltura. Muita gente está falando o que acha e muitas besteiras são ditas mas que conhece o Euclides e sua turma sabe o quanto são perfeccionistas.
A versão oficial da turma diz que muitos baloeiros experientes criticam o molde Pirâmide devido ao desenho da curva do birote. Um exemplo foi o pião de 42 da Vaga Lume de SP que explodiu no teto em 1988. Também acreditam que uma das possíveis causas do balão ter explodido por causa das uniões de cone no teto do balão. O balão foi feito com tudo que há de melhor que se pode imaginar em materiais e técnicas. O melhor papel, fio dental, cola, 160 cores de seda num leque feito em 1 ano pelo Junior da turma. Seu molde escolhido a dedo, foi todo remodelado para corrigir erros e coincidência ou não, o molde original, vindo do pião de 28 da turma da Pirãmide do Rio solto em 87 também tinha como tema o Egito antigo. Era para tudo dar certo, porém como a turma mesmo diz, o excesso de uniões no teto, mesmo reforçado com cintas a cada 2,5 cm fizeram com que ele explodisse na hora que começou a puxar a bandeira.
Antes de alguém criticar, inventar histórias, não custa lembrar que tudo no balão era de ótima qualidade. Tudo foi pensado, dinheiro e experiências não foram economizadas mas infelizmente, assim como muitas obras primas, Deus não quis que ela subisse. Houveram muitos piões maravilhosos, mas nenhum deles chegará a qualidade deste balão. Muitos falam do pião de 32 da Amor a Arte. O que diferencia este do Pião da Progresso é que no Pião de 32, seus desenhos de altíssima qualidade vieram da visão do desenhista em cima do tema do balão. Já o da Progresso, havia uma história muito mais real, muito mais rica em detalhes que era o Egito antigo. A turma estudou muito. Tudo ali tinha um motivo de estar lá. O Junior conseguiu reproduzir com inúmeros detalhes toda a história do Egito e a maldição dos Faraós impediu que seu projeto fosse aos céus.
Muitas opiniões, muitas probabilidades serão ditas pelo ocorrido, mas todas elas chegam num denominador comum: este foi o melhor pião carrapeta da História.

Se a Morte é só o começo, a “morte” deste balão é o começo de uma era, um estilo a ser copiado e incansavelmente admirado por quem gosta de balão.

Parabéns aos meus amigos da Progresso !!

Gostou? Curta e Compartilha!
  • 1
    Share

Mande seu Recado:

Copyright © 2006 / 2020 - Gazeta do Balão | Todos os Direitos Reservados - Permitida a reprodução com citação da fonte
error: Não copie, compartilhe!