Turma da Águia – RJ | Gazeta do Balão

Olá amigos! Trazemos hoje uma grande história, recheada de emoção e superação de umas das maiores turmas de baloeiros do Rio de Janeiro, a Turma da Águia. Nascida no começo dos anos 80, sempre se destacou com grandes trabalhos sejam em fogueteiros diurnos e noturnos aos inesquecíveis balões com bandeiras. Começamos então nossa entrevista com as origens da turma:

TA: A Turma da Águia nasceu em 1982 criada pelo saudoso Beto, o Zé e o Arnaldo. Em seus primeiros anos sempre se dedicou a soltar balões de pequeno e médio portes, sempre diurnos e com bandeira. Infelizmente após a perda de nossa bancada em 2000, nosso arquivo de fotos foi apreendido e pouco lembramos das origens da turma pois eu (Marcinho), entrei na turma em 1987.

GB: Como foi seus primeiros anos como baloeiro e a sua entrada para a turma da Águia?

TA: Eu comecei a fazer meus balões quando tinha 12 anos. Mesmo tendo um tio que fazia alguns balões, não foi por ele que me influenciei. Acabei me interessando e aprendi perguntando para um monte de gente e aprendi sozinho. Meu primeiro balão foi um 2×2 bojado. Em meados da década de 80, eu , o Claudinho, o Fabinho e o André fazíamos nossos balões numa turma chamada Estrela Cadente, em Marechal Hermes. Naquela época, conheci o Beto da Turma da Águia. Ele gostava muito de passarinhos e ao lado da minha casa, tinha um senhor chamado Renato que fazia gaiolas. Um dia, o Beto foi lá comprar gaiolas para seus passarinhos, o Sr. Renato comentou que tinha um vizinho que era apaixonado por balões e assim nos conhecemos. Nos tornamos grandes amigos e sempre que podia, ia até a bancada deles para aprender alguma coisa. E aprendi muita coisa. Se até então achava que sabia muita coisa, convivendo com o pessoal da Turma da Águia, aprendi a fazer com perfeição. Desde o começo, a Turma da Águia sempre foi marcada pela dedicação, responsabilidade e disciplina de todos os seus integrantes. Todos os integrantes se reuniam de segunda a quinta sempre as 20:30 e mexiam nos balões até as 23:00. Mesmo tendo a minha turma, procurava ajudar e participar. O primeiro balão que participei foi um pião de 16m do Mickey, decoração criada pelo Anderson, um cara muito conhecido na época pelos moldes que fazia. Nessa época, fazíamos primeiro a bandeira e depois o balão. Me lembro que matei muita aula e sofri muito pra aprender e ajudar a fazer a bandeira do Mickey que era toda recortada (riscada). O curioso que essa bandeira subiu 3 vezes. A cada soltura o povo pegava e dava pra gente. (risos)

Com as técnicas que aprendi na Turma da Águia, me dividi nas duas turmas. Durante o dia fazia os balões com minha turma e a noite ia pra Águia. Com o tempo, os meus amigos de turma começaram a ir comigo pra lá para aprender. Por muitos anos participei das duas turmas ao mesmo tempo. Aos poucos o pessoal da Estrela Cadente foi parando e fiquei somente na Águia.

GB: A Turma da Águia sempre foi marcada por balões diurnos e com bandeira. Como foi que conseguiram convencê-los a partir para os fogueteiros, marca registrada da atual Turma da Águia?

TA; Realmente eles não gostavam de balões noturnos. Foram raros os balões que a primeira geração da Turma da Águia soltou. Depois da soltura deste pião de 16 metros na qual ajudei a fazer, comecei a fabricar fogos com o Edilson e sempre deixava claro que queria soltar um fogueteiro. Somente em 96, decidiram fazer um e foi um Truffi de 28 metros. Na mesma época, comecei a  fazer um 15 metros que, coincidentemente, os dois balões foram soltos no mesmo fim de semana. No sábado soltamos o nosso 15 metros como Estrela Cadente e no domingo o 28 como Turma da Águia. Esse truffi ficou muito bonito, ganhou a Boca de Ouro e daí não paramos mais com os fogueteiros.

GB: Quais foram os principais balões soltos pela Turma da Águia?

TA: Antes de entrarmos para a turma, eles soltaram diversos balões que não temos mais as fotos como te disse. De 1987 pra cá soltamos: um Pião de 20m também fogueteiro e bandeira (Tio Patinhas) e o Pião de 16m com a bandeira do Mickey em1987, um Truffi de 15m em 89, um pião de 20 fogueteiro em 91, um Pião de 26m com bandeira dos Coelhos em 93, um Truffi de 28m fogueteiro diurno em 96, um Truffi de 24 metros fogueteiro diurno junto com o pessoal da Gêmeos em 97, um Truffi de 28m, nosso primeiro fogueteiro noturno de grande porte em 99, o Modelado de 36 em 2005, um Modelado  de 25m em 2006 e um Truffi de 20m em 2007, todos fogueteiros noturnos, um Pião de 18m em 2008, um Modelado de 16m  em 2009, um Modelado de 24m fogueteiro diurno em 2010 e um Modelado de 25m  fogueteiro noturno em 2011.

GB: Como vocês dividiam as funções dentro da turma? Todos faziam de tudo um pouco ou algumas funções eram restritas aos mais velhos?

TA: Sim. por exemplo, o Zé e o Beto cortavam os balões. Fechamento de bico, união de cones e colagem da boca era sempre o Beto. Com o tempo, vendo a minha dedicação, o Beto começou a me passar tudo aquilo que fazia. Como tínhamos pouco tempo de turma e estávamos aprendendo, durante muito tempo apenas fazíamos o que nos era passado. Somente em 99 na soltura do Truffi de 28 metros fogueteiro noturno que a situação se inverteu e vieram me pedir para liderar, decidir tudo, afinal, não era a praia deles. Sempre soltava balões fogueteiros, aprendi muita coisa com o Edilson da Serpente e como eles não faziam balões fogueteiros, ficou sob minha responsabilidade administrar tudo nesse balão. Os moldes de nossos balões eram feitos pelo Claudio de Jacarepaguá e quem cortava os balões era sempre o Zé e o Beto.

GB: Como sabemos, a Turma da Águia veio de uma segunda geração de baloeiros do Rio de Janeiro pois nasceu numa época onde grandes turmas já se destacavam a cada balão. Vocês se inspiraram em algumas delas?

TA; Pelo que sei, a Turma da Águia tinha uma grande amizade e se inspirava muito na Turma do Carrossel. O Carlinhos da Carrossel era muito amigo do Beto. Por toda a vida ele fabricava fogos e os vendia para praticamente todas as turmas do Rio. Também se inspiravam nos balões do Paulinho 70.

GB: Aproveitando o assunto Inspiração, todo baloeiro em começo de carreira sempre escolhe um balão que, por qualquer motivo, o torna inesquecível. Pra você, qual balão que viu subir que ficou marcado em sua memória?

TA: De armação que vi subir e me emocionei muito foi o 9×9 da Realengo solto em 87 com a Armação do Cálice Sagrado. Aquele balão era lindo. Inesquecível! Já nos fogueteiros, foi o 13×13 da Carrossel que vi de casa a abertura dos fogos. Outro balão que vi que me deixou louco foi um 11×11 do Paulinho 70. Todos esses balões me faziam sonhar e sempre dizia que um dia iria fazer um balão igual a eles.

GB: Como nasceu a vontade de fazer um gigante fogueteiro noturno?

TA: Logo após soltarmos com êxito o truffi de 28 metros em 99, devido a facilidade que tenho em fabricar fogos noturnos e o Beto que só fazia fogos diurnos, ele decidiu que devíamos fazer um maior. Como éramos uma turma organizada, estruturada e experiente, tínhamos certeza que poderíamos fazer qualquer balão que quisesse afinal, tínhamos os fogos e pessoas responsáveis pra fazer. Se quiséssemos fazer um 100 metros fogueteiro noturno a gente fazia. Eu queria fazer um 38, um 40, mas o Luis Otávio que fazia balões com a gente na época me convenceu a fazer o 36. Ele fez o molde e o Beto e o Zé cortaram o balão.

GB: Afinal, qual é a verdadeira história da morte do Beto e da perda da bancada?

TA: Na época (final de 2000) já estávamos fazendo o 36 numa bancada que ficava há 400 metros da casa dele. Como disse antes, ele fabricava fogos em sua casa. O acidente aconteceu por volta das 10:00 da manhã e era para eu estar lá também. Naquela manhã, um amigo de São Paulo me ligou encomendando uns fogos e eles estavam guardados na casa do Beto. Pouco antes de sair, minha esposa pediu para ir ao Sacolão buscar uns legumes e de lá, escutei a explosão. Pela direção da fumaça, imaginei de primeira que tinha sido de um depósito de gás que tinha na esquina da rua do Beto. Na mesma hora peguei o celular e comecei a ligar pra ele. Chamava, chamava e ninguém atendia. Comecei a ficar nervoso, liguei pra minha casa e comentei com a minha mulher: “Acho que foi no Beto, estou indo lá”. Quando cheguei lá, havia de passado uns 5 minutos da explosão. Nem os Bombeiros haviam chego. Infelizmente a explosão foi na casa dele e ele foi arremessado pra casa do lado, 2 meninos que trabalhavam com ele também morreram na hora e parece que uma mulher que passava na hora também morreu. Foi impressionante.  Voou coisas há mais de 100 metros da casa dele. Foi muito triste. Comecei a chorar quando os Bombeiros tiraram o corpo dele.

No mesmo dia, a Polícia foi na bancada e levou tudo. Fotos, quadros, materiais e 2 cones do 36 que estavam sendo finalizados. Só não perdemos tudo que, por acaso, decidi guardar os outros que estavam prontos em outro local.

GB: Vocês pensaram em parar depois desse acidente?

TA: Não! Jamais. Não decidimos parar porque era o sonho do Beto. E queríamos realizar, dar esse sonho pra ele. Depois de um tempo vieram novos integrantes e decidimos voltar a fazer o balão.

GB: Quanto tempo se passou entre a tragédia e o retorno ao balão?

TA: Eu particularmente, fiquei com medo pois tinha muita coisa em casa. Na época, combinei com o Machadinho uma troca de 300 dz de cometas pela boca do balão. Na época eu tinha 100 duzias prontas e as joguei tudo num rio que tinha em frente a minha casa. Após um tempo voltei a fazer fogos com outro Beto, hoje meu grande parceiro e sócio. Voltando ao balão, no ano seguinte, a turma do Porão fez um 36 metros e me procurou para fazer seus fogos. O balão deles subiu, deu um espetáculo, foi perfeito. E o Ricardinho, hoje na Virtual, nos ofereceu a bancada para terminar o balão. Além de ceder o espaço, ele e o pessoal da Porão nos ajudaram muito a terminar o balão. Eu cortei os dois cones que faltavam e finalizamos o balão. Tudo pronto, marcamos a data da soltura.

GB: Como foi a noite da soltura? O que mais os preocupava: A necessidade de soltar um gigante fogueteiro ou de cumprir a promessa de soltar o balão para o Beto?

TA: Com certeza ficamos muito preocupados, afinal, até então, tirando o balão da Porão, todos davam errado. Também tinha a repressão. Ninguém queria perder o balão depois de tudo que tinha acontecido. E não foi fácil esconder o balão. Depois que ele ficou pronto, a notícia se espalhou muito rápido. Um dos objetivos principais era reunir todos os amigos do Beto. Uma das maiores dificuldades foi convencer o Jorginho, dono do sitio em Austin, que sempre ganhava dinheiro com solturas que não poderia falar pra ninguém. Mesmo contra sua vontade, aceitou guardar segredo pois se avisássemos cedo o mundo inteiro iria ver o balão. Outra curiosidade foi que as gaiolas, feitas pelo Miguelzinho da Signo, hoje na Cometa, ficaram no Playground do apartamento do Marcelo. Na época, todo mundo brincava com a gente dizendo que se um dia alguém passasse no prédio e as gaiolas não estivessem era porque o balão iria subir.

Na semana do balão pegamos as gaiolas e ficamos uma semana montando o balão no sítio. Foi tudo super tranquilo e todos os envolvidos abraçaram a causa e guardaram segredo. na hora da soltura deu tudo certo. Todos os amigos do Beto estavam presentes e o balão subiu certinho, não deu nenhum problema, deu um grande show e emocionou a todos. Ficou mais de duas horas no alto e caiu na Baía de Guanabara no Mar.

GB: O balão teve algum problema que se não fosse resolvido poderia ter tido um final diferente?

TA: Teve dois e tenho certeza que foi o Beto que me iluminou. Quando ele estava cheio, tinha muita gente em cima do balão e eu estava nervoso, afinal se desse um problema com aquele monte de gente próximo poderia causar acidentes. Ninguém queria se afastar e tinha uma menina com o pessoal da Emenda, que toda hora ficava pedindo a nossa jaqueta. O balão estava cheio e ela estava com uma lanterna gigante e ficava passando no balão. Teve uma hora que o foco da luz passou numa área do teto do balão e percebi um rasgo de uns 40 cm. Quando abaixamos o balão para arrumar, deu pra perceber que foi um corte de estilete e não um rasgo normal de confecção ou transporte. Não sei se foi sabotagem mas se ou balão tivesse subido com aquele rasgo bem na área crítica de um fogueteiro, talvez um acidente enorme teria acontecido afinal, eram mais de 800 kilos de carga. Se não fosse a menina com a lanterna iluminado o balão bem na hora que eu estava passando e olhando teríamos uma tragédia. O outro problema foi com a boca que veio de São Paulo, presente do Ivan da Cortiço. Ela veio com as argolas de engate dos cabrestos soldadas na contra boca. Como de costume, sempre colocávamos essas argolas no aro da boca. Preocupado com isso, com o balão cheio o Tomé, amarrou uma corda e se pendurou na boca. Ela amassou, fez um bico e deixou a todos preocupados. Devido a isso, o balão ficou mais de uma hora cheio. Nesse tempo tentamos encontrar uma solução para este problema e decidimos colocar os engates no aro principal. Pegamos arame e travamos os engates no aro. Pela minha experiência, tudo iria despencar se colocássemos o peso na contra boca. Emfim, tudo que planejamos deu certo e nosso sonho se realizou.

GB: O que mudou na turma da Águia depois deste balão?

TA: Depois que esse balão subiu, muitas pessoas quiseram entrar na turma. Das outras gerações só havia sobrado a mim porque, com a morte do Beto, o Zé e o Arnaldo pararam. Na época do 36 o Borges se juntou a nós e após esse balão muita molecada veio pra turma e acho que foi um erro pois, toda aquela doutrina de comprometimento e disciplina que aprendi na Águia, muitos dos novos integrantes não seguiram. Eu queria dar para essa molecada a oportunidade que o Beto deu pra mim, mas a molecada não seguiu o mesmo pensamento que eu tive. Muita gente entrou ou quer entrar na Águia pra ganhar fama mas se esquece que tu é lembrado pelo que faz e não pelo que diz que faz.

GB: Em vários momentos da entrevista você sempre frisou a importância da organização e disciplina da Turma da Águia. Em sua opinião, onde as turmas no geral mais pecam?

TA: Desde o começo sempre aprendi que para fazer um balão você tem que estar preparado. Além da experiência e comprometimento de cada um no processo de confecção e preparação, a cada balão nosso, fazemos uma reunião onde cada um tem a sua função na soltura do balão pré estabelecida. Na hora já sabemos quem vai encher o balão, quem vai guiar, quem estará com a cola e o papel caso apareçam rasgos, quem vai acender o pavio, quem vai estar com estilete se precisar cortar uma gaiola. Esta organização é importante e todos aqui respeitam e seguem. Todos deveriam fazer assim, porque muitas vezes aparecem pessoas que não estão comprometidas com o balão e uma opinião errada pode dar tudo errado. Na Águia, todos tem a sua função e se estão aqui é porque tem competência pra isso. Hoje a Águia tem condições de fazer o balão que quiser. Um pouco dessa filosofia vem sendo aplicada, mesmo os dias de hoje serem diferentes por causa da lei.

GB: Como foi a chegada da lei em 98?

TA: Pra nós não mudou muita coisa. Sempre soltamos balões num bairro e nunca trouxemos problemas pra ninguém. Por isso, nunca tivemos problemas com vizinhos. Por isso, o fato de  ter virado crime nunca nos trouxe preocupação de alguém nos denunciar. Ninguém acreditava que a lei “pegasse” . Naquela época mesmo, continuávamos soltando balões na rua do mesmo jeito.  A Polícia não atrapalhava em nada. Como todo ser humano você só acredita em algo quando realmente acontece, quando alguém vai preso, quando um balão é apreendido. Até hoje, para mim, essa “ficha não caiu”, pois nunca tive problemas.

GB: Um fato pitoresco?

TA: Não sei se é engraçado mas fica a dica pra quem solta fogueteiro. Quando estávamos montando as fogueteiras do 28. Quando estava tudo pronto, usamos uma pistola de cola quente para colar os helicópteros nas gaiolas. Para acelerar o trabalho, ligamos 2 pistolas numa mesma extensão. Era ela muito fina e o fio começou a pegar fogo e estourar ao lado das gaiolas do balão que já estavam todas prontas com as bombas e pavios. Rapidamente “pulamos” em cima dos fios e apagamos o curto com as mãos. Quase a gente que subia pros céus em vez do balão (risos). Hoje é engraçado mas vale a dica pra galera ter atenção ao montar suas fogueteiras.

GB: Resgate?

TA: Eu sou contra resgate. Quando você tem um resgate sadio eu acho legal. Já fui muito quando era mais novo. O maior balão que peguei foi um 9×8 sozinho. Hoje não apoio pelo que fazem quando um balão está caindo.

GB: O que você acha que poderiam fazer para melhorar?

TA: Respeitar. Afinal quem pegar o balão o balão é dele e não querer levar na força, no grito. Também tem que acabar com essas invasões, falta de respeito com as pessoas que moram onde os balões caem. Respeitem e tentem se colocar no lugar de quem mora onde o balão caiu. No resgate do 24 metros da Alfa no fim do ano passado destruíram o telhado da casa sem necessidade. Quebrou? paga!

GB: Boca de Ouro?

TA; Ganhamos 3: Pião Carrapeta em 87 junto com a Serpente, Fogueteiro Diurno em 96 e Fogueteiro Noturno em 2006. Mesmo com 3 títulos não dou muito valor a Boca de Ouro. Sou contra muita coisa e acho que a turma tem que estar apta pra participar. Pra isso tem que conhecer, tem feito muitos balões. Hoje a Boca de Ouro é dada pra pessoas que começaram agora e mal tem experiência com balões. Eu vejo como um técnico de futebol. Ele tem que ter jogado, jogado por muitos anos, aprendeu muitas coisas e hoje esta pronto para ensinar. Hoje o povo faz um balão fogueteiro pra concorrer e se preocupa mais em fazer um balão bonito do que uma queima eficiente. Pra mim o balão pode ser branco o que importa é os fogos. Se é um pião, ainda vai mas fogueteiro o que manda são os fogos. Teve diversos campeões que os balões eram bonitos e tiveram uma queima fraca e o perdedor era mais simples e a queima foi melhor. Também acho que quem deveria escolher os campeões são os caras que entendem de balão, que tem experiência como o Machadinho, o Manel, o Paulinho 70. Por mim, nenhum balão da Águia participava da Boca de Ouro. O baloeiro tem que se unir. Hoje quando você solta um balão concorrendo, muita gente vai torcendo pra dar errado só pra ganhar. Eu quando vou ver um balão, busco ajudar e já vi muito balão onde o baloeiro fica de braços cruzados e não ajuda.

GB: Como um especialista em fogueteiros, onde você acha que o baloeiro mais erra?

TA: Hoje o baloeiro quer aparecer. Se preocupa mais em enfeitar, em provar algo para alguém do que em soltar um balão com segurança. Por isso que vemos balões caindo a boca, abrindo fogos em baixa altitude, deixando carga. Muita gente não respeita ou nem sabe o limite de um balão. Nós erramos também, claro. Muitos de nossos balões tiveram problemas mas te garanto que, em nenhum deles foi excesso de carga. Desde a primeira geração da Turma da Águia onde fui criado, aprendi a pesar tudo, calcular tudo e respeitar os limites de cada balão dentro de sua margem de segurança. Balão fogueteiro não é o que leva mais peso e sim o que dá mais show. Não é a toa que perdemos a Boca de Ouro com o 36 para um balão menor. O que importa é a qualidade da queima e não a quantidade.

GB: 3 balões inesquecíveis que viu subir…

TA: Olha (Pensativo). Um balão que nunca esqueci foi o Pião de 54m do Gabriel e Cometa. me lembro que ele saiu, foi arrastando baixinho e um monte de gente saiu correndo atrás pensando que ele ia cair. Outro foi o 13×13 da Carrossel que falei anteriormente e o 36 da Porão. O que marcou nesse balão foi a história para vê-lo. Naquele fim de semana, foi o que mais vi balão na minha vida. Eu fui a São Paulo trazer uma encomenda para a TZN. Cheguei na quinta de manhã e virei a noite montando as fogueteiras com eles. O balão subiu na sexta e do campo fomos direto pra zona sul ver o 34m da Vagalume. Já estava 3 noites sem durmir. Estava na casa do Emiliano (GNB Paixão) e recebi a ligação da galera da Porão avisando que o balão iria subir. Corremos pra casa do Emiliano, tomamos um banho e fomos nós dois mais o Paulinho pro Rio. Chegamos no Rio as 5 da tarde e tive que esperar o Ivan (Cortiço) chegar para irmos ao campo. Com muito sacrifício, chegamos no campo e pegamos o balão já nas guias.

GB: Um balão que quis ver e não conseguiu?

TA: O Modelado de 32 metros dos Naypes. Pouco antes dele subir, conheci o Bortoloto na loja do Tati. Ele me chamou para ir até Itapevi ver o balão, fomos até lá e me impressionei com a forma que as fogueteiras foram estopinadas. Ainda brinquei com ele dizendo que aquele monte de pavio encapado com fita crepe ia explodir tudo. Eu vim 4 vezes a São Paulo pra ver esse balão. 2 de avião e 2 de carro e no dia que ele subiu eu não pude vir. Esse balão eu queria ver.

GB: 3 baloeiros que fizeram algo de importante pelo balão…

TA: Considero muito no meio do balão o Manel da Cometa que, além de ser meu amigo pessoal, é um cara que gosta e fez muito pelo balão. O meu ídolo. Pode ter baloeiro que for no Brasil mas nenhum será igual a ele que é o Beto da Águia. Se ele estivesse vivo a turma da Águia seria bem diferente. Outro que também faleceu e aprendi muita coisa com ele foi o Marcio que era da Colosso e montou a Só Amigos.

GB: Teve alguma coisa que gostaria de falar ou fazer pra ele e não falou?

TA: Sim. Antes dele falecer eu estava arrumando um lugar mais seguro pra ele trabalhar.Eu sempre falava pra ele sair da clandestinidade, ir trabalhar num lugar mais seguro ou trabalhar numa fábrica que havia arrumado pra ele. Muita gente não sabe, mas antes deste acidente fatal, ele sofreu um outro acidente fazendo uma pólvora para um cara que, se não me engano era da Luneta. Esse cara, levou os materiais para o Beto fazer a pólvora e trocou o Nitrato por Clorato. Quando o Beto foi fazer a pólvora, devido ao material ser errado, ele acendeu e queimou o Beto todo. Pouca gente sabe, mas isso foi um aviso. Ele não ouviu. Vou falar uma coisa pra vocês. O dia que eu me queimar, eu paro na hora. Eu falei pra ele procurar fazer com mais segurança e num lugar apropriado e ele não me ouviu.

GB: Balão ontem, hoje e no futuro:

TA: O balão antes, a gente fazia uma coisa por vontade nossa. Soltava um 2 metros com prazer. Hoje você faz o balão por competição, sempre pensando em fazer melhor que o do outro. O balão tem que ser seguro. Não posso fazer um balão com mais peso, mais bonito  que o do outro e esquecer da segurança.  Antes era gostoso. Hoje as pessoas se incomodam com o que você faz. Eu também sou assim. Eu vi o fogueteiro dos Doidos (Truffi 21) e achei lindo. Tudo deu certo depois de tudo que passaram. Quem sabe o que eles passaram sabe o que estou dizendo. Eu tinha condições de fazer foguetes melhores mas admiro o que eles fizeram. O futuro vai depender muito de todos nós. Se as pessoas não se conscientizarem que o balão é proibido e devem se unir, pra mim a tendência é acabar. O resgate está colaborando com isso. Temos que respeitar. Eu queria que no futuro, o balão fosse legalizado com um tamanho de balão pré determinado, um limite e que as pessoas fossem mais unidas e ajudassem mais uns aos outros. Hoje, muitas pessoas estão lutando para legalizar mas devido as outras que fazem tudo errado, elas podem prejudicar o trabalho de quem luta por todos nós.

GB: Balão sem fogo. Qual a sua opinião?

TA: Se for um local onde todo mundo pode soltar eu soltaria. Se reunir os amigos, fazer um churrasco e todo mundo soltar um balão, eu faria.

GB: Muita gente defende a tese de que, para melhorar a imagem do balão os fogueteiros deveriam acabar. Como um apaixonado por esse tipo de balão, o que você acha disso?

TA: Eu acharia uma pena. O problema não é quem faz fogueteiros e sim quem faz sem saber o que está fazendo. O maior problema é a irresponsabilidade e não o balão. Se você respeita o limite dele, te garanto que não vai dar problema algum. Vamos supor que um dia, o balão seja legalizado e você vai soltar um fogueteiro. Teria que ter uma equipe de especialistas para analisar a carga, aprovar ou não. Temos pessoas no meio do balão que poderiam fazer isso.

GB: Quem seriam essas pessoas?

TA: Temos muitas pessoas. A SAB, por exemplo foi criada para cuidar do balão e poderia cuidar disso mas até hoje não é respeitada por 100% dos baloeiros  porque o mundo do balão é desunido. Se todo mundo fosse unido, seria muito melhor.

GB: Um sonho?

TA: Ver meus filhos soltando balões no futuro livremente pois, ao contrário de mim que não tive influência dos meus pais, eles aprenderam a gostar de balões comigo.

GB: Mensagem livre:

TA: Respeitem os balões, tenham consciência de seus limites, aprendam com os erros, perguntem, soltem muitos, mais muitos balões pequenos antes de encaram um maior, ajudem o próximo, soltem balões com responsabilidade pois só assim, teremos um futuro melhor.

GB: Quem é a Turma da Águia hoje?

TA: Eu, Beto, Borges, Frank, Sandro, Washington e o Rafael. Somos 7 pessoas com o mesmo pensamento, cabeça no lugar, acredito que nunca teremos problemas e discussões. Hoje todos tem a mesma filosofia que tínhamos quando entrei na turma. Hoje a turma da Águia tem tudo para manter a tradição.

GB: Agradecimentos:

TA: Queria agradecer a todas as pessoas que gostam do balão. Que fazem balões por amor e não por competição e sempre miram o sucesso. Porque o nosso sucesso depende do sucesso dos outros. Quando erramos, não é a Águia quem erra, não é ela quem paga e sim todos os baloeiros. Temos que ter essa consciência. Quem faz com amor, não faz para aparecer, para se exibir, está no caminho certo. Gostaria de agradecer a estas pessoas pois, são através delas que o balão vai continuar por muito tempo. Obrigado.

Comentários:

  1. BORÉU - EVOLUÇÃO - SP disse:

    PARABÉNS TURMA ÁGUIA PELA BELA ENTREVISTA E PODER CONHECER UM POUCO MAIS SOBRE ESSA MARAVILHOSA TURMA. ESPERO UM DIA PODER VER DE PERTO UM FOG. SEUS.

  2. ronaldo disse:

    bela materia dinho ,eu e meu amigo estefanio tivemos o prazer de assistir a soltura do 36 foi show….

  3. Edu Turma do Tropeço disse:

    Estou impressionado!Quem diria que esse porra louca se expressaria tão bem! rsrsr
    Muito boa sua entrevista;essa seria uma turma q eu participaria facilmente ,pois tens o mesmo pensamento e conceito q eu tenho na visão do balão.
    Me vi dizendo tudo isso.Pena que essa nova geração não tá nem ai pro que os mais experientes dizem.
    Parabéns à todos da Turma da Águia.
    Do amigo : Edu ( carioca)

  4. Rodrigo...Nova turma de Valinhos disse:

    Parabens pela entrevista,e parabens Aguia pelos seus pensamentos com segurança no balao…abraço !!!

  5. Guilherme - TVC - RJ disse:

    Bela matéria dinho só fiqUei curioso do marcio não falar do Russo da aguia, mais tudo bem vida que segue :( ..

  6. Emilson - Aguia Rea Z/S disse:

    Dinho parabéns por esta entrevista, quero parabenizar também o Marcinho, não conheço pessoalmente, mas terei um imenso prazer em conhece-lo um dia, precisamos de pessoas com pensamentos iguais ao dele, você que me conhece sabe que também tento ao máximo preservar a segurança tanto das pessoas quanto do balão.
    Uma coisa é certa enquanto não mudarmos a forma como lidamos com os resgastes e procura obcecada por bater recordes, não conseguiremos reverter a fama ruim que temos.
    Galera baloeira sigam o exemplo do Marcinho, balão antes de ser bonito tem que ser seguro, não vamos ser hipócritas e falar que não é perigoso, nós temos que ter consciência de que quanto maior mais peso ele leva, então acima de tudo temos que pensar em segurança acima de qualquer coisa.

    Marcinho mais uma vez, parabéns, sempre admirei os balões da Águia tanto que também utilizamos este nome em nossa turma, depois de ler esta matéria, percebi o porque os balões de vocês sempre dão show, mais uma vez parabéns.

    Grande abraço.

  7. Erick disse:

    Belissima entrevista com esta turma que tantos balões soltou e solta,sempre com conciencia de soltar balões leves preservando a seguraça de que assisti a soltura dos belisimos balões soltos por eles.
    Nunca imaginei ver o Marcinho falando bem deste jeito,Showwwwwwww como diria o mesmo!
    Parabens Águia Rio.

  8. no turma anjos da noite disse:

    parabens a turma da aguia no final da materia voçe falou tudo um quer aparecer para outros 4

  9. leandro tm2 disse:

    ótima entrevista..
    parabéns !!!

  10. Luis Otavio (ex-integrante) disse:

    Boas lembranças que marcaram esse tempo… Russo show, Adilson (irmão do Russo), Zé, Marcelo cópia, Beto e Marcinho, fora os irmãos colaboradores. Quem vacilava o Zé dava-lhe esporro! kkkkk
    Gde abço em todos.

  11. Clodoaldo Sales.turma do sales.N.Iguaçu.RJ disse:

    Mt legal a entrevista,uma vez eu estava no sítio da paz com as fotos do 25 noturno,o marcinho pegou todas as fotos das gaiolas,até hoje meu album está sem essa fotos,mas valeu.Quanto a turma realmente é um show com fog noturnos e diurnos inesquecíveis,foi uma pena o vento no último noturno.washington parceiro me liga.um abç a todos

  12. miguel turma show em cores rj disse:

    bela entrevista parabens a aquia rio sucesso pra todos.

  13. turma da cantareira disse:

    Uma grande turma do Rio parabéns Águia bela história.

  14. W (Águia Rio) disse:

    Parabéns pela entrevista Marcio.
    Espero que muitos sigam suas sábias palavras para a segurança de todos, para o bem da nossa arte. Infelizmente a “molecada” não quis aprender e levar com seriedade os princípios básicos, até mesmo para um bom relacionamento entre amigos. É um prazer fazer parte da turma da Águia Rio onde estou desde 2005 após o 36. É melhor 7 comprometidos do que 70 desinteressados. Sabe que estamos juntos. Um grande abraço.
    Fala Clodoaldo!!! Vamos nos falar amigo… Abraços.

  15. BALOEIRO disse:

    valeu marcinho,por lembrar do nosso grande amigo MARCIO,parabens pela historia da t aguia,que venha mais e mais fog. noturno parabens a todos da t. da aguia,valeu marcinho …

  16. rogerio disse:

    bela entevista parabens a turma da aguia pela istoria que tem no mundo balao. e o que mais me empresiona e fonte enesgotavel de hulk que inveja!!!!!!!!!!!

  17. luciano T2O disse:

    uma das mais competentes turmas do rio, alem disso, vc nao ve a turma no meio de fofoquinha, ou de brigas, igual a maioria das turmas de balao, e pra nossa sorte aqui, eles soltam os melhores baloes aqui de nova iguaçu, 2 baloes que fez agente chorar de alegria, um foi o 24 diurno, que fez um barulhao, acordou geral, mesmo falhando uns fogos, foi showw, o outro foi o 36 q fez arrepiar , nunca vi tantos fogos num balao so rsrss cansei de ver ele soltar aqueles fogos lindos, o pessoal que tava indo pros bailes, vasquinho, riosampa, parou geral pra ver esse balao, foi quase um mes comentando sobre esse balao, o engraçado que depois o pessoal que nao é da arte, mais sabe que eu solto balao, me parava na rua pra falar desse balao, pra vcs verem como foi lindo, faleuu aguia, brigadao pelo q vcs fazem pela nossa arte. abç

  18. Manel disse:

    Marcinho, foi legal ler essa entrevista, eu tinha uma ideia e história um pouco diferente dessa contada por você, claro que nunca fui frequentador da Turma da Águia e muito menos fiz parte da mesma, mas conheci o Beto com seu famosos foguetes, para mim ele era uma apaixonado por fogueteiros, o primeiro balão que fui ver da Águia junto com o meu amigo Bacalhau e Rodiney foi um 9×9 todo forrado acho eu no inicio da década de 90 era um fogueteiro Diurno era todo colorido com fundo preto subiu próximo do dia das Mães, para mim aquele foi o primeiro Fogueteiro de porte da Águia, depois pelo que soube. Após aquele belíssimo 28mts de Vargem Grande, vieram os Gemeos ( MARCELO e seu irmão ) que para mim entraram na Turma… Confirme isso ai para mim.. Eu posso até estar errado, mas esse balão existiu e eu fui vê-lo.
    Abçs
    Manel

  19. PAULINHO-GNBPAIXAO disse:

    CARACA, MARCINHO PELA SACO!!!, VC TAVA INSPIRADO, PARABÉNS, LEMBRAR ESSA FASE MARAVILHOSA EMOCIONA DEMAIS, EU TIVE O PRAZER DE ESTAR JUNTO EM VARIOS MOMENTOS E TENHO VC E O MARCELO COMO IRMÂOS.
    A PERDA DO BETO, FOI UMA COISA QUE MEXEU DEMAIS COM TODOS, E ACHO QUE VCS DERAM A MELHOR HOMENAGEM QUE ELE PODIA TER.
    QUERO VER MUITA COISA BOA DESTA AGUIA AINDA E MUITO MAIS AINDA DE VC QUE É MESTRE NA PIROTECNIA.
    PARABÉNS E EM BREVE QUERO ESTAR JUNTO E DAR UM GRANDE ABRAÇO.
    PARABÉNS , DINHO POR TRAZER E GRAVAR ESTAS HISTÓRIAS DE QUEM TEM MUITO A ENSINAR EM MATÉRIA DA NOSSA ARTE.
    ABRAÇOS-PAULINHO

  20. rodrigo disse:

    emoçionante esse comentario parabens aguia gostei do comentario da boca de ouro pessoas q pouco fizeram e querem julgar isso ta errado fazem mais para depois julgar os baloes valeu obs…. fazem mais muito mais para depois julgar///////////////////,

  21. parabens a toda turma da aguia ,é isso ai
    marcinho cola com nois que nois é da hora.

  22. marcos,fofão disse:

    valeu,marcinho,pela entrevista,me fez lembra minha infancia em marechal,a onde tive o prazer de lhe conhecer,marcado na lenbrança um ano novo a onde eu , meu primo”meme” e nosso amigo “lebu” não dormimos aguardando seu 8×8 diurno no primeiro dia do ano,valeu espero comtar com vc no meu 21mts,um abraço e parabens a todos da turma da águia

  23. marcinho disse:

    essa é uma istoria maravilhosa q eu tive o prazer de viver,obrigado a todos as pessoas q fez parte dela ..[beto],zé,arnaldo,tião,eu,lico,[marcelo,marcio,gemeos],claudio,fabricio,wilson,russo,adilson,luiz otavio,seu luiz,jorge guilherme,beto,frank,rafael,washignton,borges,cilo,sandro,duda,ari,marquinho do gas,ricardo, rodrigo,gordinho,cesar..foram as pessoas q foram responssaveis pelo nosso susesso…obrigado a todos..

  24. samuka disse:

    grande historia da turma da aguia eles sao grande exemplo que todos deveriam seguir fazer baloes com responsabelidade um grande abraço a turma da aguia do rio

  25. samuka disse:

    grande entrevista com o pessoal da aguia um abraço a todos e continuem assim

  26. MAURICIO IMPACTO RIO....... disse:

    MARCINHO, A IMPACTO RIO AGRADECE E PARABENIZA A AGUIA PELA SUA LINDA HISTORIA….. UM BELO PASSADO, UM LINDO PRESENTE E UM MARAVILHOSO FUTURO PARA ESSA TURMA………. ESSA TURMA E UMA ESCOLA, FAMILIA. OBRIGADO POR TODOS OS CONSELHOS…… VLW MARCINHO, BETO NEGAO, SE O MEU BALAO FOI SUCESSO, AGRADECEMOS A AGUIA POR TUDO……….

  27. TURMA FBI RESGATE TERRA E MAR disse:

    RESGATEI O MODELADO DE 36 MTS NOTURNO NO FUNDO DA BAIA DA GUANABARA FOI ALTA ADRENALINA INFELIZMENTE O BICHÃO NÃO PAROU QUANDO PERDEU O PESO DAS GAIOLAS MAIS VALEU O ESFORÇO . AINDA TENHO GUARDADO A BOCA E O PISCA QUE PARECE UMA LANTERNA . BOAS RECORDAÇOES . UM FORTE ABRAÇO PARA A TURMA AGUIA RIO !!!!!

  28. ÁGUIA RIO disse:

    Valeu galera da FBI o nome daquela lanterna que pisca e estrobolight é a mesma luz que pisca em baixo dos aviões.Abraços da família ÁGUIA RIO.
    Borges.

  29. comando oeste osasco disse:

    ZECA,MARCINHO o mundo dos baloes precisa muito de pessoas iguais a voce que hoje em dia e dificiu ,de consciencia ,responsabilidade , experiencia e cabeca no lugar obrigado por esta entrevista ,para que os mais novos leem e sigam o seu exemplo parabens a todos da T.DA AGUIA UM ABRACO.

  30. Marquinho Sedução Bento Ribeiro disse:

    Fala Marcinho cara de areia mijada…rs, foi muito triste o que aconteceu com o Beto, ele era referência no flechão e nas bombas. Parabéns vc é muito competente no que faz, fui ver o balão de Vargem Grande que deu show e se me lembro bem no mesmo dia subia um balão de outro campo com bandeira de cavalos não é isso? Fui no 36,20cm em homenagem ao Betão da brasilia vinhos…rs entre outros, mas o que deu show foi um que subiu de um sítio pros lados de Itaguai se não me engano onde o balão passou na direção da lua e todos que estavam no campo batiam palmas e gritavam, esse foi show… Parabéns a Águia e valeu, vc é um cara 100% amigo.
    Abraço Marquinho Sedução BR

  31. Renato Silva (Turma da Estrela) disse:

    Dei essa matéria para meu cunhado ler, ele é o Anderson que é citado no começo da entrevista (que fez a decoração do pião do Mickey e fazia moldes) ele gostou muito e sentiu saudades, se não me engano foi ele q projetou a casa do falecido Beto e ficou muito chocado com o ocorrido na época.

    Um abraço

  32. impacto rio (original) disse:

    mauricio… não temos que agredecer o sucesso do “nosso” balão a ninguem, ele nos vendeu os fogos, compramos os fogos que o mesmo comercialisa.
    o sucesso pertence a quem fez, e foi a IMPACTO RIO, aonde você conheceu o que é balão.
    então siga meu concelho: acenda vela para o santo certo, nunca para o errado.
    acredito que seu comentario tenha sido antes da soltura do ultimo balão da aguia rio…

  33. MAURICIO disse:

    COM CERTEZA IMPACTO RIO….. SOU UM CARA JUSTO, E SENSATO. NAO RETIRO MEU COMENTARIO, POIS NA EPOCA REALMENTE ALGUNS CONSELHOS FORAM DADOS POR UM INTEGRANTE DA AGUIA. COMO VC DISSE, O NOSSO BALAO DEU CERTO POR NOSSO MERECIMENTO, POIS SOMOS DE VERDADE, SOMOS ABENÇOADOS POR DEUS POIS ELE SABE QUE A PUREZA E A HUMILDADE MORA EM NOSSOS CORAÇOES.SAIBA QUE A IMPACTO FOI UMA PASSAGEM MTTT ESPECIAL EM MINHA VIDA, POIS ACONTECIA BRIGAS, DISCUSSOES, ZOAÇOES E FESTAS, MAIS TUDO NA REAL PUREZA, TUDO NA VERDADE. NAO HAVIA MASCARAS, NAO HAVIA FALSIDADE……… E COM CERTEZA ESSE COMENTARIO ANTERIOR FOI ANTES DA ULTIMA SOLTURA DO BALAO DA AGUIA….. ABRAÇOS IMPACTO RIO TAO ORIGINAL QUANTO EU, POIS SABEMOS QUE ALGUMAS OBRAS DE ARTE DA IMPACTO TEM COMO REFERENCIA A GESTAO MAURICIO, SALOMAO,CARECA, RODRIGO, SALGADINHO, MARCIO. EQUIPE TOP…. EQUIPE DE VERDADE…………..

Mande seu Recado: